terça-feira, 25 de maio de 2010

Rapaziadas

[Artur da Cunha Araújo, Porto Académico, n.º único de 1938, págs. 3-4]


O “Central” e o “Chaves” eram os cafés preferidos pela Academia do meu tempo. No último, durante muitos anos instalado nos baixos do Hotel Francfort, entre o Laranjal e a rua de D. Pedro, bairros antigos que a Avenida do “bacalhau” fez desaparecer, juntavam-se quase todos os rapazes da Escola Médica em algazarra viva, a saborear o café da uma hora.

Havia um grupo de jogadores de xadrez com mais ou menos tineta para os intrincados lances do jogo espevitador por excelência da “substância cinzenta” e outro que preferia adestrar-se nas subtilezas das bolas a recuar e à massé, orientado pelo marcador, o “João do Lisbonense”, profissional aprumado e discreto, que já na casa dos setenta, ainda exibia as suas habilidades bilharistas.

Entre os habituais frequentadores do café do Chaves, figuravam comerciantes, empregados bancários que ali vinham de fugida sorver a goles apressados o moka rescendente e um ou outro janota de menos afazeres que procurava na convivência com estudantes um certo ar de intelectualidade.

Pertencia ao número destes últimos o sr. Guimarães, o homem mais bonito do Porto, como ele próprio se intitulava, perfeito “Don Juan” que só muito mais tarde teria competidor no sr. Cunha da Rasa. Aprumado nos seus fatos talhados pelo “Laranjeira”, com umas barbas bem cuidadas e que ao tempo faziam as delícias das costureiras dos “Hermínios” e do “Abel Brandão”, de botoeira sempre florida e um precioso chapéu à Rembrandt colocado com elegância, o “Cristo” como os rapazes lhe chamavam, fazia diariamente a “volta dos tristes” com a desenvoltura de um autêntico Brumell, a que não faltava sequer a nota arqui-mundana de umas irrepreensíveis polainas brancas.

Ora sucedeu uma vez que um estudante dos que mais de perto com ele conviviam, por necessidade de satisfazer qualquer inadiável compromisso, se abalançou a pedir-lhe uns cobres emprestados.

Solicitamente o nosso Cristo acedeu e ficou aguardando o prometido reembolso dentro do prazo estipulado. Os meses porém foram-se passando, o prazo findara há já bastante tempo e o rapaz nada de saldar a dívida. Invariavelmente o sr. Guimarães lá estava na porta do Chaves à hora marcada, mas o estudante é que jogava de porta com ele, evitando com astúcia o desagradável encontro.

Até que um dia fomos descortiná-lo cabisbaixo e sumido a um canto, receoso de ser abordado pelo impertinente credor.

Indagámos das causas de tamanha tristeza e logo ali se combinou a maneira de o libertar daquele pesadelo. Rabiscámos a lápis nas costas de um cartão do interessado um sonetilho de improviso que pouco depois, quando o Cristo apareceu, um criado reverente lhe foi entregar dentro de vistosa salva. Rezava assim:
Ò meu Cristo, ò meu senhor,
Redentor de nossos pais,
Só Te peço, por favor,
P’ra não me chateares mais.

Nem andes morto e exangue
Dos cafés, pelos portais,
A derramar o Teu sangue,
Por causa destes pardais...

Eu bem sei que És generoso,
Que um erário fabuloso,
Esgotaste até ao fundo...

Mas já que os justos apontas,
Bem sabes que as nossas contas,
Se pagam... no fim do mundo!...

O Cristo leu, releu, esboçou um sorriso tocado de leve azedume e saiu em direcção da Praça, guardando no bolso do colete, por saldo de contas, o bilhetinho. E nunca mais importonou o rapaz.


II

Entre os alunos do meu curso, destacava-se, não por ser oriundo de “San Tomé” mas pelo brilho
da inteligência e do espírito, o Luiz Gonçalves de Sousa Machado hoje médico distintíssimo naquela formosa ilha e que já há muitos anos não temos o prazer de abraçar.

Um dia o Luiz Machado apareceu à porta da Escola, radiante, exibindo uma riquíssima bengala de cavalo marinho, com castão de prata, onde artisticamente se entrelaçavam as iniciais do seu nome.

Os condiscípulos exaltaram a magnificência daquela obra de arte, e a bengala andou de mão em mão, com mal disfarçada vaidade do seu possuidor que, risonho, aceitava os remoques um tanto invejosos dos condiscípulos, empenhados em adivinhar a proveniência de tão luxuosa dávida.

Uns alvitraram que tinha sido presente de roceiro endinheirado; outros que era prenda de alguma azougada mulata, apaixonada pelo futuro doutor. Até que chegando às mãos de um, pôs-se este a ler com vagar as iniciais gravadas no castão e gritou entusiasmado: Eureka! Eureka!...

Correram para ele os condiscípulos na ânsia de decifrar a chave do enigma. L! G! S! M!

Não sabeis o que quer dizer?

- Lembrança do Gungunhana ao seu muleque!... Uma estrepitosa gargalhada ecoou e o Luiz Machado, honra lhe seja, não foi dos que menos se riu, com a maliciosa interpretação das lindas letras esculpidas no castão de prata da sua preciosa “badine”.


III

Já lá vão uns trinta anos seguros[1] depois que uma revista teatral, o A.B.C., se bem me lembro, lançou pela boca da mais desenvolta “estrela” de então, a Júlia Mendes, um fado que correu os salões da alta burguesia e chegou aos mais recônditos cantinhos da província: o fado liró!

Nas ruas, nos cafés, à porta dos mercados, por toda a parte enfim, só se ouvia assobiar o famigerado fadinho. A briosa[2], que nesse tempo não desdenhava de empunhar a sua guitarra, foi das primeiras a ir cantar à porta das várias “Dulcineas” as sextilhas delambidas impressas nas coplas da revista. Forçoso era libertar o espírito académico daquela ronceirice metrificada e nasceu então o “Fado da medicina” que correu anónimo por mãos de mestres e de alunos e onde uns e outros eram mais ou menos zargunchados com piadas certeiras.

Um professor sei eu que ao ver-se alvejado nas sextilhas mordazes, resolveu pagar um bom acto[3] de Patologia geral com uns míseros “onze valores”, aplicados à ciência do aluno que ele suspeitava ser o autor da brincadeira.

É que a sextilha irreverente dizia:

Qualquer faia canta o fado
Para ficar aprovado
No sábio patologista...
Fez um fado o Aguiar
Somente para provar
Que também era fadista!

Embora o mestre não tivesse as tendências que os versos lhe atribuíam, fornecia invariavelmente a todos os seus cursos uns apontamentos, a que os rapazes chamavam o “fado”, que tinham que ser papagueados de lés a lés sem hesitações, durante o ano, e sob pena de um chumbo garantido a quem no acto os não trouxesse também na ponta da língua.

Daí o remoque e a respectiva... compensação...
.....................................................................................

As cólicas que alguém cortou por passar por autor da sátira inofensiva tinham sido atenuadas no ano anterior por um feriado na aula do Prof. Luiz Viegas, mais indulgente com as brincadeiras dos rapazes. Uma manhã, quase no fim do ano lectivo, quando uma lição de anatomia sobre “centros nervosos” trazia os “cepos” assarapantados e receosos de um estenderete raso, resolveu-se lá em baixo no porão, como os alunos chamavam ao teatro anatómico, organizar um grupo orfeónico. E quando o mestre entrou para dar aula, o tenor melhor da companhia, logo secundado pela malta, disparou-lhe esta comovente súplica, com música do liró:
O fado tem tal meiguice
Que o Viegas se o ouvisse
Decerto não resistia...
Rapazes: cantai o fado,
Quando quiserdes f’riado,
Na aula de anatomia...

O coro atroador na ressonância das paredes, respondeu:
Cantam o fado as parteiras,
Boticários, enfermeiras,
Tudo num coro infernal...
E na própria Academia
O Arroio já assobia,
O fadinho em mineral...

Mal contendo o riso, o Prof. Luiz Viegas chamou o “Vitorino”, já pronto para para marcar faltas e dispensou os alunos nesse dia.

A alegria sentida na ocasião pelos rapazes, traduzo-a eu, hoje, pelas lágrimas que me afloram aos olhos, recordando a bondade do professor já morto e essa mocidade irrequieta e feliz que já morreu também!...


IV

Nunca mais entrei depois de formado no vetusto casarão de aspecto conventual, rígido na espessura friorenta do seu granito, que é o Hospital da Misericórdia.

Aquelas enfermarias do meu tempo, e que decerto ainda não mudaram no seu aspecto típico, faziam-me calafrios e dispunham-me mal os nervos.

Perpassava nas galerias sombrias a ressumar água no inverno, um cheiro misto de desinfectantes e de comidas que me parece sentir às vezes na pituitária.

A aula e enfermarias de clínica médica eram lá em cima num ângulo quase virado ao poente e para lá chegar subiam-se uns infindáveis degraus de pedra onde as passadas ecoavam como pancadas lúgubres em caixão mortuário. O ar desconfortável daquelas salas enormes, onde uma ou outra enfermeira punha a nota sorridente duma jarrinha de flores para ter a impressão que nem tudo era doença e desconforto, aborreciam-me e afugentavam-me.

Quando pelas oito horas, pouco mais, o Prof.Tiago de Almeida entrava no Hospital e atravessava o átrio agasalhando na sua comprida peliça os pulmões ressentidos de velhos achaques, nós lá seguíamos atrás do mestre, por vezes a tiritar de frio e mortos por sair daquela geladeira.

Eram duas horas de sacrifício, só amenizadas pelas palestras científicas do Prof. Tiago, que punha meticulosos cuidados na maneira prática de nos ministrar os conhecimentos que deviam aproveitar mais tarde à nossa educação clínica.

Os doentes escolhidos para a nossa aprendizagem eram submetidos a um aturado exame por parte dos alunos a quem o mestre chamava um por um, para melhor fixarem os sintomas objectivos. Não fazia segredo das subtilezas da profissão, e tudo o que sabia, e como melhor podia, entregava generosamente à nossa natural curiosidade.

Esta confissão devemos à honrada memória do que foi, por assim dizer, o iniciador do estudo clínico prático na Escola Médica do Porto.

E porque assim foi e porque todo o nosso pouco saber de “João Semana” a ele o devemos e como respeitosa gratidão já confessamos, vá de contar uma partida passada na enfermaria de clínica médica.

Iam ali parar todos os anos, sobretudo no inverno, desgraçados a quem as profissões violentas e o frio faziam adoecer com pleurisias. Os derrames por vezes eram quase asfixiantes e o mestre adestrava-nos na extracção do líquido que abafava os doentes. Estes bem diziam dos rapazes quando os aliviavam de alguns litros daquela serosidade que lhes imprensava dolorosamente os pulmões e prometia sufocá-los. Antes porém, o professor fazia-nos auscultar cuidadosamente os doentes e percuti-los para termos a certeza que pleuríticos se tratava.

Havia um sinal característico que ele sempre nos obrigava a indagar: o sinal da moeda ou do Pitres, como era mais conhecido. O mestre tirava duas moedas de cobre da algibeira e com elas batia na parte anterior do tórax dos doentes, mandado-nos ouvir na parte posterior o som metálico nítido que se transmitia através da massa líquida. Depois, passava as moedas de mão em mão para que todos os alunos constatassem o fenómeno.

Alguém que propositadamente se deixava para o fim guardava os dois vinténs, e ía regaladamente com eles tomar café ao “Chaves”.

A peripécia repetiu-se algumas vezes, até que um dia o Prof. Tiago, já com a pedra no sapato, chamou o aluno useiro e vezeiro e disse-lhe: vamos lá observar este doente, mas puxe você pelo pataco, que eu já estou farto de lhe pagar cafés!... Omite-se por dispensável o nome do estudante, para só destacar com merecida evidência a figura inconfundível do Prof. Tiago de Almeida, que sabia fazer de cada aluno um amigo, naquele casarão húmido e triste da Misericórdia, onde ele estoicamente professou durante mais de vinte anos, com desusado brilho, a nobre arte de Hipócrates.


Vila do Conde, Maio de 38

Do livro em preparação
“Mestres e rapazes do meu tempo”

ARTUR DA CUNHA ARAÚJO





[1] Recorde-se que este texto foi escrito em 1938.

[2] A palavra "briosa" é frequentemente usada para designar a Academia de Coimbra, ou mais precisamente a Associação Académica de Coimbra (principalmente, depois dos anos 20, a sua equipa de futebol). Aqui é usada simplesmente para referir a academia, neste caso a do Porto.

[3] A palavra "acto" é usada aqui ainda com o significado de exame.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Em outros tempos

[Artur da Cunha Araújo, Porto Académico, n.º único de 1937, pág. 25]


No rodar dos últimos trinta anos a Academia do Porto foi perdendo pouco a pouco prestígio e aquela graça sadia e moça que dava aos estudantes do burgo foros de casta privilegiada.

Quando nos iniciamos na pesada tarefa de conseguir uma carta, ao transpormos pela primeira vez os ombrais da Politécnica, foi pela “porta do cavalo” que conseguimos escapar ao vexame do cachaço e da chacota acerada dos veteranos, capitaneados pelo “Trinta”!

O edifício de então só praticável na parte do sul e do nascente, albergava ainda do lado do passeio da Graça, a figura mavórtica do cavaleiro S. Jorge que perfeitamente compatibilizado com a algazarra dos rapazes, aguardava estoicamente que o fossem buscar uma vez em cada ano, em seu cavalo branco ajaezado de solene gualdrapa, para dar volta à Cidade no meio dos sons estridentes dos clarins da guarda e das fardas dos circunspectos vereadores do município.

Tampouco o importunava a vizinhança do botequim do Chaves onde a academia se deliciava com o saboroso café, verdadeiro segredo de fabrico, a que, segundo as más línguas do tempo, não era estranho o... rabo de bacalhau...

Daquele pequeno quarteirão da Graça há tanto já demolido, só nos ficou a viva recordação dum cavalo de pau que um ferrador que ali morava tinha à porta e cuja história merece um comentário.

Passava por certo, que ignoto escultor tirara do mesmo tronco de castanho, a golpes de talento, duas das suas melhores obras: uma a que de perto pudemos, era o imponente ginete, gáudio do rapazio; a outra, recolhida hoje não sei em qual igreja da cidade, representava a piedosa imagem de S. Francisco!...

Somos levados a acreditar que o artista se consubstanciou na figura da primeira e para desconto dos seus pecados, tentou redimir-se, fazendo-se santeiro! As casas foram abaixo e o burro lá foi também com as canastras... Onde parará esse monumento?...

Tal era o pequeno bairro onde se desenrolava a parte da vida académica com paragem forçada à porta do Âncora de Ouro e ceata obrigatória em dias de abastança no restaurante Portugal ao tempo entaipado pela viela do Assis.

Não curava de dandismos a mocidade de então. Toda a sua indumentária se reduzia a um amplo gabão de Aveiro, chapéu braguês, “lavaliére” preta e no braço o gancho de um cerquinho ferrado.

Ainda as giletes não escanhoavam diariamente as faces glabras do moderno estilo e a barba crescia na cara dos rapazes tão desenvolta como a relva nos canteiros da Cordoaria... Tinham uma aparência máscula que se traduzia em factos quando era preciso jogar a bordoada com a polícia, como na célebre “campanha do ovo” nas vésperas do entrudo, em que até o recheio do laboratório de química veio cá para fora, escacando-se com fragor junto das árvores seculares que escondiam os vultos de certos disfarçados mantenedores da ordem, alerta na repressão dos distúrbios carnavalescos.

Eram homens que se viam passar de livro debaixo do braço para os estabelecimentos de ensino superior.

Os caloiros tremiam ante as barbas patriarcais do Comendador e do Trinta e suavam ouvindo as injecções mordentes do Godide e do Serafim de Barros...

No recheio da longa carreira médica figuravam como abantesmas as duas químicas, verdadeiros cabos tormentosos onde os adamastores também se duplicavam nas pessoas de dois mestres ao tempo no fastígio da sua qualidade, desandando no fim do ano uma saraivada de chumbos sobre a cabeça dos rapazes que mais parecia castigo do Olimpo que vontade de Minerva...

Aquelas sabatinas das segunda-feiras em Química Orgânica ficaram memoráveis entre os rapazes do meu tempo.

O mestre, que Deus tenha em bom descanso, não perdoava a cabulice e quando o velho Borges naquela hora matutina fazia a chamada, os já “tapados” entravam a cortar umas cólicas que nem as provocadas pelo óleo de rícino aplicado alhures em prol de nova política.

Ao escaparmos das malhas de tão emaranhado labirinto, respirávamos e a vingança vinha a lume na zargunchada dos testamentos do Judas, outro costume tão tripeiro, também caído em desuso. Lembra-nos um, em que o Vergílio Ferreira talentoso rapaz que a morte levou ao concluir a sua formatura, caricaturava com inexcedível graça os alunos e os mestres e em que um poeta que ainda hoje se delicia nas sombras do anonimato, assim legava ao professor de Orgânica:

Deixo ao Ferreira da Silva,
Um brinde que não esquece;
Um grande balão de vidro
Transbordando H2S!...

E os rapazes riam, frequentavam os cafés em vez das leitarias, iam aos teatros e por toda a parte a sua algazarra punha uma nota estrídula na mazombice do burgo.

Não sei se ainda há estudantes. Nas raras vezes que vou ao Porto e passo a matar saudades em frente da antiga Politécnica, nada me faz lembrar a minha já longíqua mocidade.

Concluiu-se o antigo casarão, dando-lhe aspecto de casa de reclusos. Por entre as pesadas grades de ar conventual vê-se um ou outro vulto deslizando apressado como quem corre a toque de vésperas.

Na promiscuidade dos trajes aparece também um ou outro estudante de capa e batina a destoar nos hábitos tripeiros, como borrão de tinta em álbum de costumes.

Já não se distingue facilmente um estudante de um caixeiro do Chiado.

Ambos rapam a cara, ambos usam o cabelo lambido e lustroso à força das brilhantinas, ambos exibem os fatos desportivos mais ou menos cintados e para a miopia da graça e do espírito já não chegam todos os monóculos à venda nos oculistas da cidade.

As “matinés” dos cinemas acabaram com o passeio obrigatório das quinta-feiras nos jardins da Cordoaria e de S. Lázaro e as músicas regimentais passaram a tocar nas paradas dos quartéis.

Em vez do fado cantado a desoras, os rapazes contentam-se em ligar os impertinentes rádios, para o “retiro da Severa”.

As ceias do Ventura e do Marujo foram substituídas sem visível vantagem pelos chás na Arcádia e na confeitaria do Bolhão. E assim transmudada a Academia do Porto, nós que com ela vivemos o melhor da nossa mocidade sentimos indizível tristeza ao atravessar esse bairro do Carmo onde outrora acampava com alarido e balbúrdia a legião dos estudantes citadinos.

Agora que a inevitável ferrugem dos novatos nos vai mordendo as articulações por estas longas noites dum inverno rigoroso e gelado, apraz-nos no aconchego do fogão desfiar este rosário de lembranças, passando a letra de forma saudosas recordações da já centenária Academia Politécnica agora festejada e que nos leva a repetir, tanto a desconhecemos, o bafiento verso de Virgílio: quantum mutatus ab illo!...


Vila do Conde, Março de 1937

ARTUR DA CUNHA ARAÚJO

domingo, 23 de maio de 2010

O "Dr. Quinterra"

Os estudantes da Escola Médica que, em 1902, participaram na brincadeira carnavalesca do Dr. Quinterra (sátira a um clínico que receitava uma "badiana fosfatada de Sued" como cura para a tuberculose), junto com um frasco da "Badiana Sulfatada de Uva Preta", distribuída nessa ocasião [foto da colecção da AAAUP].

Versos do "Grande e órrivel querime praticado por uma grande maurvada", vendidos ainda na mesma ocasião [Porto Académico, n.º único de 1962, pág. 27].

Esta sátira é relatada nos textos "Os académicos do meu tempo" e "Já lá vão mais de 50 anos!...".

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Já lá vão mais de 50 anos!...

[Prof. Dr. António de Almeida Garrett, Porto Académico, n.º único de 1962, págs. 27-29.
Suprimi algumas passagens, que consistem na listagem de professores e colegas (do mesmo ano ou de anos próximos) do autor.]


Mais de meio século decorreu sobre a minha passagem pelos bancos da Escola Médica, daquela querida pequena casa, tão diferente da que encobriu com lavrado granito os seus muros singelos, que o que possa escrever a bem poucos poderá interessar. Só servirá para activar saudades dos alegres tempos da mocidade aos velhos de perto dos oitenta ou que já os ultrapassaram, e esses poucos são. Basta atentar em que do meu curso, de 1901-06, que era de cinquenta, só restam onze; e nos cursos vizinhos, foi semelhante a razia. Aos mais novos apenas poderá fazer lembrar médicos que conheceram ou que todavia conhecem, por ainda por aqui andarem, aguardando a eterna despedida. Tudo isto é bem pouco para justificar estas laudas, mas já que V. as quer, assim mesmo, aí vão, despretensiosamente, ao correr da pena.

Começarei pelo primeiro passo: o ingresso dos caloiros da Médica. Matulões dos últimos anos juntavam os neófitos à porta da Politécnica, frente à Cordoaria, e de ali os levavam em cortejo, num alarido de gaitas estridentes e álacres chalaças, até à entrada da Escola, para a simbólica adopção de discípulos de Esculápio. Escolhiam os mais graúdos para pegar na tosca padiola, destinada ao bobo da festa, ao penico e competente vassourinha, a peça essencial do cortejo. Naquele ano fui eu o padiolado, por determinação do grupo organizador, chefiado por um barbaças, o Teixeira Bastos, mais tarde colega na docência e queridíssimo amigo.

Principiava para nós, com entusiasmo e certa repugnância, o estudo da anatomia, que era preciso saber bem, pois no exame era profusa a chumbaria. Depois, as dificuldades iam abrandando, até ao acto final, o da consabida tareia da defesa da dissertação inaugural.

Ao tempo, o ensino era quase todo teórico, livresco, excepto na anatomia e nas clínicas. O regímen continuava o do Liceu: frequência obrigatória com marcação das faltas, lição designada para a aula seguinte, chamada dos alunos para exporem a matéria da lição, entremeada ou seguida pelos comentários dos professores. Na anatomia trabalhava-se a valer, no teatro anatómico, sob o vigilante olhar estrábico do velho Ferreira, o «rapa-caveiras»; como que estou a ver o quadro, com o mestre Viegas entrando imponente, de sobrecasa sobre o vistoso colete de fantasia, reluzente cartola, para investigar, de mesa em mesa, apontanto com a bengalinha a peça que estávamos dissecando: o que é isto? e isso? Nas clínicas, as aulas decorriam nas enfermarias, com a leitura dos relatórios feitos pelos alunos a quem os doentes foram distribuídos para estudo, e sequente prelecção do professor, comentando e acrescentando os relatórios; a parte teórica já vinha sabida das cadeiras de patologia, interna e externa, estudada pelos respectivos compêndios.

Tudo mudou quando veio a Faculdade, vieram assistentes, se desenvolveu o restrito ensino das ciências laboratoriais; a verdade, porém, é que, para o que então era a medicina, a preparação dos alunos inteiramente ombreava com a das outras escolas e mesmo com a das estrangeiras, em vários pontos, mormente o da anatomia, que já em 1885 (como apontou Ricardo Jorge) se ensinava no Porto como se não ensinava em Paris, trinta anos mais tarde.


Era notável a galeria dos mestres, que recordo com sentida veneração, todos desaparecidos, e quase todos há muito, da cena deste mundo.
[...]


Quando andava no primeiro ano, estava no quinto um curso que deu brado, o último curso do Dr. Lebre, a quem prestaram memorável homenagem, o primeiro curso que se abalançou a dar uma récita de despedida, espectáculo que teve um êxito retumbante. Havia nele muitos valores de real mérito, de alguns dos quais me tornei amigo certo, anos depois, como foram Carteado Mena, Raúl Outeiro, Pacheco de Miranda, Manuel de Castro, José Gomes, Vitorino de Magalhães, César Machado, todos destacadas figuras do nosso meio médico; e ainda o primoroso espírito e cintilante literato que foi Campos Monteiro. Lembro-me do incorrígivel boémio João Pinto, cujas «partidas» ficaram famosas na história das garotices académicas. Lembro-me das irmãs Pratas, e do epigrama (seguramente da autoria de Campos Monteiro) que entre gargalhadas deu a volta à Escola:
Diz a Prata, a Guilhermina,
Que o Vitorino nasceu
De um osso sesamoideu
Que a mãe tinha na vagina...

É que Vitorino de Magalhães era muito baixo, o que não o impediu de vir a ser distinto médico militar. Pelo contrário havia no curso um agigantado, o Eduardo de Oliveira, que por isso tinha a alcunha de «Danton», e foi urologista considerado.

[...] Aarão de Lacerda [...] foi meu professor de Zoologia na Politécnica e [...] já em adiantada idade se fez aluno de Medicina. Por essa altura frequentavam a Escola três figuras invulgares, que despertavam a atenção da estudantada: o poeta Manuel Laranjeira, com a sua gaforina e completo desprezo pela indumentária, Manuel de Oliveira, que tinha fama de invulgar inteligência e vasta cultura, e o boémio Trinta, com grandes barbas e não menor pilhéria.

[...]

Suspendi, para recordar mestres e estudantes, o apontamento sobre a vida dos escolares da Médica nesses primeiros anos do século. Retomo o tema com breves notas, arrancadas às profundidades da memória.

Como sempre sucedeu e sucederá, em cada curso há um pouco de tudo: filhos de abastados e de mal remediados, cuidadosos e desmazelados, fragoeiros e pacatos, de gostos vários e várias preocupações; mas há geralmente uns quantos, de temperamento mais vivo, que exibem carácter destacante, a deixar especial lembrança. São eles os agitadores do conjunto, os promotores dos folguedos violadores da quotidiana rotina.

Já aludi à récitade despedida dos quintanistas de 1902, acontecimento famoso nos anais da academia. Foi à cena uma farsa em verso de Campos Monteiro, «Os Filhos de Minerva», com trechos musicais de Manuel Monterroso e Lima Elias, seguida por uma paródia à Ceia dos Cardeais, em que actuaram Armindo Chaves, Pacheco de Miranda e Raúl do Carmo Pacheco. E o espectáculo findou com Manuel Monterroso a desenhar em largos traços espirituosas caricaturas dos mestres. Festa de arte e graça, como tinha de ser a de um curso de escol.

Logo no ano seguinte outra récita de despedida, espécie de revista - Visita de Mestre -, encheu o Teatro de S. João, em risonha festa. A letra era de Damião Lourenço que foi distinto clínico em Caminha, e a música de Lobo das Neves e Henrique Teles, este, notável médico bracarense. Entraram na função alguns que do Porto eram ou que por cá ficaram: Costa Miranda, Manuel Bragança, Simões Pina, Manuel José Pereira, Pinto da Silva, João Vieira; e nos coristas figurou Aarão de Lacerda, o lente estudante.

Campos Monteiro já então mostrara aquela garra do escritor de raça, que veio a dar uma pujante obra em prosa e verso, que vai desde o terno lirismo à sátira mordaz. Na geração do meu tempo foi sem dúvida a maior figura literária, a de mais excelsas e polimorfas faculdades. Só João de Meira as possuía semelhantes, mas a morte, que precocemente o levou, só permitiu que deixasse amostras de um talento e cultura excepcionais, de variados matizes.

Já que atrás citei um epigrama de Campos Monteiro, aqui fica outro de João de Meira. Um dos mais espertos rapazes do meu curso era Serafim de Barros, trasmontano de Alijó, alegre folião, noctívago jogador, estudando o mínimo possível para passar, o que obtinha facilmente e com regulares notas. À sua cabulice dedicou Meira esta engraçada quadra:
O Serafim está doente
De tanto e tanto estudar.
Com certeza vai a lente,
Vai a lente... de aumentar.

Outros, porém, embora então com menor saliência, escreviam também.
Desses especifico António Patrício, do curso a seguir ao meu, que ao sair da Escola publicou os discutidos versos do «Oceano» e veio a ser o favorito duma alada e trágica musa. Faziam roda, por vezes, os mais dados às coisas literárias, e Patrício era no grupo a voz dominante, com sua acerada verve. Vou nesta recordação juntar-lhe outra figura cujo nome ficou, Manuel Laranjeira, evocando uma sua resposta a tempo. Patrício, dândi e amaneirado, presumindo grandezas, voltado para Laranjeira, de jeitos inteiramente opostos: «Ontem comi faisão. Ó Laranjeira, V. já comeu faisão?». Ao que este logo retruca: «Eu, nem de pu...». Sicalítico, mas chistoso a mais não.

De resto, o amor pela leitura e pelas ideias gerais era moeda corrente. Vivia-se mais introspectivamente do que em tempos posteriores. Como todos sabem, uma série de factores, entre os quais avulta a progressiva expansão do automóvel, do cinema e dos desportos, foi modificando os hábitos de toda a gente; a vida tornou-se apressada e voltada mais para fora do que para dentro. Tínhamos poucas horas de escolaridade, havia vagar para o comércio espiritual da conversa e da leitura.

Isto vinha já do Liceu, em regra havia apenas duas aulas por dia, e raro se cursavam mais de três disciplinas, cujos exames se faziam no fim do ano. Por certo escandalizarei os pedagogos dizendo que os rapazes saíam com uma preparação melhor do que a de hoje, com a prolixidade desorientadora dos programas e diluição por vários anos. Estudava-se somente o básico, essencial, e este ficava-se sabendo com segurança. Com um ano de português e outro de francês, não havia estudante de curso superior que não soubesse redigir correctamente (hoje, em regra, que desgraça!) e não pudesse ler, sem grandes dificuldades, os romances que então andavam nas nossas mãos, tais os de Balzac, Flaubert, Zola, Daudet, etc. Estudavam-se duas disciplinas nos primeiros anos do Liceu, mas o que se aprendera ficara tão gravado que facilmente, na Politécnica, liam os compêndios franceses, de física, botânica e zoologia, e aprendiam a respectiva matéria, os que se haviam contentado com os escritores nacionais em voga, Camilo, Eça, Fialho, etc.

Entre as aulas que não eram seguidas, repassavam-se, ou passavam-se... as lições marcadas, sob as árvores da Cordoaria ou do Palácio de Cristal; os do meu curso muita vez jogando, no pequeno terreiro ladeante do Teatro Anatómico, uma curiosa variedade do «fito» que o António Lobo trouxera de Valpaços e ao qual demos o pouco decente nome de «pico».

À tarde, em regra depois do jantar que então era pelas cinco horas ou pouco mais, era uso geral a frequência de cafés, de casas que há muito desapareceram. Os mais concorridos eram o Central, que ficava ao lado da Farmácia Birra, onde hoje é parte do Imperial, e o Chaves que ficava na esquina das ruas de D. Pedro e do Laranjal, demolidas para dar lugar à Avenida dos Aliados. A grande maioria só de longe a longe saía do ramerrão diário, com recolha à casa familiar ou à «república», por volta das nove ou quando muito das dez, para ir ao teatro ou para ceata alegre num dos vários comedoiros de nocturno serviço, como os do João do Buraco ou do Faria dos Bigodes, para não falar no célebre Túnel, de freguesia mais endinheirada.

Além das duas festanças de todos os anos, a da entrada dos caloiros e a da entrega da pasta ao findar do quinto ano, em que a feição agarotada tinha certo ar literário (sem o tumultuoso alarido que foi vulgar muito mais tarde), no carnaval do meu primeiro ano houve uma função de estrondo, em que entraram alunos de todos os cursos. Foi no Teatro Anatómico, adrede engalanado, para se desenrolar o funeral da «Vadiana», produto do «Dr. Qu'enterra», em cáustica flagelação do reclamo que um clínico portuense (Quintela) fazia de uma «Badiana Fosfatada de Sued», como curadora da tuberculose. Lembro-me de discursos de irresistível comicidade, e que foram tremendas as gargalhadas quanto entrou o supliciado na forma de um jumento branco; e também que no final uns pseudo-cegos cantaram o fado da autoria de Arnaldo Braga, intitulado «Grande e órrivel querime praticado por uma grande marvada», letra que se vendeu a pataco, sendo o produto destinado a tuberculosos pobres.

Nos começos de 1902 a Academia de Coimbra lançou uma greve de carácter político, a propósito de qualquer medida governamental de ordem financeira, greve que foi secundada pelos alunos da Politécnica, da Médica e do Instituto, mas em dois dias furada pela grande maioria dos alunos de medicina, o que deu azo a que a manifestação em breve terminasse. Era o tempo dos comícios republicanos, quadra de forte agitação política, em que participavam muitos dos meus contemporâneos; mas dentro da Escola essa agitação não penetrava, não porque não houvesse uma geral simpatia pelas aspirações de renovação nacional, mas porque a rapaziada interessava-se mais por arte, literatura e medicina do que pelas coisas da política, que pouco entravam nas nossas conversas.

Também não existia a brotoeja juvenil de pretensão a reformadores do ensino, a que modernamente se deu o nome de «reivindicações da classe», tendo chegado, há coisa de uns trinta anos, a organizar-se uma associação «profissional» dos estudantes de medicina. No meu tempo, essas questões eram para os mestres, que as discutiam entre si, e por vezes acesamente.

Nós tínhamos mais adequadas e realizáveis preocupações, e tínhamos, sobretudo, o espírito de uma franca camaradagem, que não consentia propagandas desunidoras. Por isso foram tão famosas as alegres festas que recordei, como o foi a garraiada do meu curso, de terceiranistas, na Praça de Touros em Matosinhos. Organizada pelo Mata, alentejano e aficionado, que morreu coronel-médico reformado, e pelo grande animador de todos nós que era o Arnaldo Braga e nela fez de bandarilheiro; outros do Porto entraram no elenco «artístico», portando-se frente aos cornúpetos com garbo e valentia, como fossem Jorge de Oliveira (cavaleiro), Feiteira (D. Tancredo), Joaquim Nóbrega (cabo de forcados) e este vosso criado (abegão).


Que mais hei-de dizer? Parece-me que o que destaviadamente fui lançando ao papel é mais que suficiente para avivar lembranças queridas aos cabelos nevados; e aos que ainda estão longe da velhice para mostrar a diferença entre aqueles tempos da minha mocidade e os que com o dobrar dos anos e a mudança nos costumes tão diversos se tornaram. E que diferença! Tão grande como a que vai dos fartos bigodes e do chapéu de coco às caras rapadas e cabeças ao léu.

Melhores tempos? Piores? Não sei. Para nós, os da geração que há mais de meio século passou pela Escola Médica, têm um comovedor encanto; avivam o resto da chama que nos abrasava, enchem-nos o coração de infinitas saudades.

ANTÓNIO DE ALMEIDA GARRETT